Quem sou eu?

Encontrar-se consigo mesmo é sempre um desafio. A aventura de mergulhar em si mesmo é permeada de luzes e trevas. Muitas vezes queremos encontrar somente o nosso lado bom e esquivar-nos do nosso lado negativo. Contudo, somos essa mistura de "anjos e demônios". É preciso aceitarmos nossas misérias e nos reconciliarmos com elas. Aquilo que eu nego em mim torna-se proprietário de minha alma. Mais fácil é negar que aceitar e buscar soluções para viver melhor. Necessário é sermos misericordiosos conosco mesmos, e atravessarmos a noite escura de nossa alma para contemplarmos o sol do amor de Deus que brilha sobre nossa vida.

Olhe com ternura para suas sombras e acolha-as. Estamos em processo de contínuo de construção. Muitas vezes é preciso mudarmos o olhar. Queremos tanto ser seres divinos que esquecemos que Deus quis ser humano. Encarnou-se e viveu nossa condição humana em tudo menos no pecado. Nos acostumamos a ter um olhar doentio sobre nossas misérias, e quando o jeito de olhar não é saudável disseminamos a "praga" da falta de amor próprio em nós mesmos.

Que seus encontros sejam sempre experiências de amor e misericórdia consigo mesmo. Deus lhe abençoe.

Padre Flávio Sobreiro